Ijuí - Escola Ruyzão - Geografia - Ver o mundo com um outro olhar ... Venha comigo!

AGRICULTURA




Sugestão da amiga e colega do grupo Blogs Educativos Vera Gama: O filme ou documentário "O veneno esta na mesa" do cineasta Silvio Tendler - Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida.‏
O referido filme /Documentário denuncia a problemática causada pelos agrotóxicos, e faz parte de um conjunto de materiais elaborados pela Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida.

Sinopse

O Brasil é o país do mundo que mais consome agrotóxicos: 5,2 litros/ano por habitante. Muitos desses herbicidas, fungicidas e pesticidas que consumimos estão proibidos em quase todo mundo pelo risco que representam à saúde pública. O perigo é tanto para os trabalhadores, que manipulam os venenos, quanto para os cidadãos, que consumem os produtos agrícolas. Só quem lucra são as transnacionais que fabricam os agrotóxicos. A idéia do filme é mostrar à população como estamos nos alimentando mal e perigosamente, por conta de um modelo agrário perverso, baseado no agronegócio.

Parte - 1 http://www.youtube.com/watch?v=WYUn7Q5cpJ8&NR=1
Parte - 2 http://www.youtube.com/watch?v=NdBmSkVHu2s&feature=related
Parte - 3 http://www.youtube.com/watch?v=5EBJKZfZSlc&feature=related
Parte - 4 http://www.youtube.com/watch?v=AdD3VPCXWJA&feature=related
                                         
Ainda sobre o assunto "o uso de veneno nas lavouras", no site globo.com, na página Ciências de 04/setembro/2012, temos uma interessante reportagem sobre o assunto.
Com o título: Agrotóxicos proibidos continuam em uso nas lavouras brasileiras, a reportagem se refere ao uso de pesticidas, ou agrotóxicos, nas lavouras do estado brasileiro de Mato Grosso e suas consequências.
Leia aqui toda a reportagem.



ESPAÇO DE PRODUÇÃO - AGRICULTURA.

AULA 1- INTRODUÇÃO.




1) Na sala de multimídias: 
Introdução e motivação para o estudo da unidade - AGRICULTURA. 
- Assistir ao Power Point elaborado pelas professoras com imagens e música sobre o assunto.
- Debate ou comentários sobre as imagens que viram e a mensagem da música.

2) Na sala de aula:
* Leitura do texto: " O absurdo da agricultura moderna", de José Lutzenberger. Em grupos fazer a leitura e anotar no caderno:
- Título e autor do texto 
- Idéia central do texto 
- Qual a preocupação central ou maior de Lutzemberger? 
- Você concorda com a posição do autor? Justifique. 
* Apresentação no grande grupo dos relatos dos grupos. 

TRABALHO TRIMESTRAL –  AGRICULTURA 

1)Organização dos grupos. Formar grupos de no máximo 5 componentes.

2)Cada grupo será responsável pela elaboração e execução de uma das propostas abaixo: 
GRUPO 1 - Elaborar um Power Point com muitas imagens sons, pequenos textos, palavras... sobre agricultura. 
GRUPO 2 – Criar uma letra para uma música já existente sobre o tema: posse da terra, uso da terra, trabalhador rural, êxodo rural, produção de alimentos, vida no campo, proteção do solo e do meio ambiente; 
GRUPO 3 – Elaborar um vídeo no Movie Maker destacando assuntos da atualidade da agricultura; 
GRUPO 4 - Montar uma maquete representando os tipos de agricultura;
GRUPO 5 – Entrevistar um agricultor e um agroindustrial contextualizando o lugar de produção ( o que, como e onde planta, as técnicas e tecnologias, onde vende, etc);

3)Data para apresentação dos mesmos para a professora: Dia: ...........


Sugestão de referências bibliográficas 


Agricultura e os fatores naturais


Exploração da Terra 
Principais problemas da agricultura 
Principais produtos agrícolas em dados 
 Reforma Agrária 
Sistema agrícola de produção 
Para onde vai a agricultura mundial?


AULA 2- ESTUDO DOS CONTEÚDOS.



Carta da Terra
Carta da Terra inspira-se em uma variedade de fontes, incluindo a ecologia e outras ciências contemporâneas, as tradições religiosas e as filosóficas do mundo, a literatura sobre ética global, o meio ambiente e o desenvolvimento, a experiência prática dos povos que vivem de maneira sustentada, além das declarações e dos tratados intergovemamentais e não-governamentais relevantes. Mas afinal, o que é a Carta da Terra?
Carta da Terra é uma declaração de princípios éticos fundamentais para a construção, no século 21, de uma sociedade global justa, sustentável e pacífica. Busca inspirar todos os povos a um novo sentido de interdependência global e responsabilidade compartilhada voltado para o bem-estar de toda a família humana, da grande comunidade da vida e das futuras gerações. É uma visão de esperança e um chamado à ação. Se preocupa com a transição para maneiras sustentáveis de vida e desenvolvimento humano sustentável. Integridade ecológica é um tema maior. Entretanto, reconhece que os objetivos de proteção ecológica, erradicação da pobreza, desenvolvimento econômico eqüitativo, respeito aos direitos humanos, democracia e paz são interdependentes e indivisíveis. Consequentemente oferece um novo marco, inclusivo e integralmente ético para guiar a transição para um futuro sustentável. A Carta da Terra é resultado de uma década de diálogo intercultural, em torno de objetivos comuns e valores compartilhados. Seu projeto começou como uma iniciativa das Nações Unidas, mas se desenvolveu e finalizou como uma iniciativa global da sociedade civil. Em 2000 a Comissão da Carta da Terra, uma entidade internacional independente, concluiu e divulgou o documento como a carta dos povos. Sua redação envolveu o mais inclusivo e participativo processo associado à criação de uma declaração internacional que é a fonte básica de sua legitimidade como um marco de guia ético. Contou com a adesão de mais de 4.500 organizações, incluindo vários organismos governamentais e organizações internacionais. Juristas internacionais reconhecem que a Carta da Terra está adquirindo um status de lei branca. Leis brancas, como a Declaração Universal dos Direitos Humanos são consideradas como moralmente, mas não juridicamente obrigatórias para os Governos de Estado, que aceitam subscrevê-las e adotá-las, e muitas vezes servem de base para o desenvolvimento de uma lei stritu senso (hard law). Neste momento em que é urgentemente necessário mudar a maneira como pensamos e vivemos, a Carta da Terra nos desafia a examinar nossos valores e a escolher um melhor caminho. Alianças internacionais são cada vez mais necessárias, a Carta da Terra nos encoraja a buscar aspectos em comum em meio à nossa diversidade e adotar uma nova ética global, partilhada por um número crescente de pessoas por todo o mundo. Num momento onde educação para o desenvolvimento sustentável tornou-se essencial, a Carta da Terra oferece um instrumento educacional muito valioso. 

  ATIVIDADES:

1- Ler individualmente o texto " O que é a Carta da Terra?"

2- Formar grupos de 4 ou 5 componente. Cada grupo irá receber um número( 1, 2, ou 3)que corresponde ao vídeo que irá assistir, comentar entre o grupo, fazer um relato escrito e que será lido para a turma.
 * Carta da Terra - Parte 1 ( nº 1 )
* Carta da Terra - Parte 2 ( nº 2 )
* Carta da Terra - Parte 3 ( nº 3 )

# Esta atividade 2 será desenvolvida no Laboratório de Informática Educativa ( LIE). Endereços para acessar os vídeos:
http://www.youtube.com/watch?v=5fpGS32h5yg&feature=PlayList&p=2B07E20D0AA87B7B&playnext=1&playnext





AULA 3 - ESTUDO DOS CONTEÚDOS.




1) Através do uso do retro projetor, iniciar o estudo:
** Aula expositiva interativa;

Conteúdos:
- Conceitos e histórico da agricultura;
Etapas do desenvolvimento agrícola;
- Fatores naturais que interferem na agricultura;
- Mudanças na agricultura num mundo tecnológico;
- Estrutura Fundiária;
Sistemas ou modos de produção

Desenvolvimento

Conceitos de agricultura - Agro no verbete em latin significa “terra cultivada ou cultivável”. É o conjunto de técnicas utilizadas para cultivar plantas com o objetivo de obter alimentos, fibras, energia, matéria-prima para roupas, construções, medicamentos, ferramentas, ou apenas para contemplação estética.

Histórico da atividade agrária no mundo -  Uma das mais antigas atividades humana, rudimentar até o século XVII. A prática do plantio inicia no final do período Neolítico, as margens dos rios Nilo (Egito) e Ganges (Índia), Tigre e Eufrates (Mesopotâmia- hoje Iraque) Rios Amarelo e Azul (China). Inicia também a transformação do espaço geográfico pela ação antrópica. Dizem que as mudanças climáticas e o desenvolvimento de técnicas, domesticação de sementes, animais etc, levou à transição gradual da atividade de caça e coleta à prática da agricultura e fixação nos lugares, ou seja, sedentarização do homem. A Revolução Industrial (séc. VXIII, Inglaterra) e conseqüentemente a revolução urbana, provocaram grandes mudanças nos modos da sociedade do campo e da cidade, e agricultura de subsistência, grandes evoluções de técnicas.

Etapas do desenvolvimento agrícola sobre o ponto de vista técnico e tecnológico:

Agricultura arcaica – uso de técnicas, recursos e instrumentos rudimentares (arado manual e tração animal, enxada, sistema de roça, etc), agricultura de subsistência, ainda hoje é praticada em países subdesenvolvidos;

Agricultura moderna – após a segunda fase da Revolução Industrial, aperfeiçoamento de instrumentos agrícolas, aumento da produção agrícola devido ao uso de maquinários, novos implementos como a invenção da máquina que separa o caroço da fibra do algodão, uso de adubos etc. A junção da tecnologia à ciência aumentou a eficiência de produtividade agrícola, principalmente no séc XX, conhecido como período da Revolução Verde.

Agricultura contemporânea – é caracterizada pela grande utilização de meios tecnológicos, que amplia a quantidade e a qualidade da produção. Maior integração da tecnologia com a ciência (biotecnologia), alta tecnologias de ponta, altos capitais de investimentos, complexos agroindustriais etc.

Fatores naturais que interferem na agricultura

O solo, camada superficial da terra, onde se pratica a agricultura é a produção combinada com diversos fatores que determinam a formação do solo, entre eles são: O clima, a variável mais importante na produção agrícola que influencia todos os estágios da cadeia da produção: preparo, plantio, colheita, armazenamento, transporte e comercialização. Qualquer sistema agrícola é um ecossistema feito pelo homem, que depende do clima para funcionar. O clima engloba mudanças de temperatura, precipitação, umidade, que associado com o solo influencia na vegetação. As variações climáticas, podem levar à variação do solo em pequenas escala do relevo (ex. ficar sob mais horas do sol e de chuva) e vegetação (ex: o solo sob copa de árvores protegido da chuva e sob sol forte etc). Todos os cultivos apresentam limite climático, o da soja é de 3º C, o do abacaxi e do coco a mínima é de 21ºC, a batata é de 8ºC a 28ºC, as frutas cítricas abaixo de 15ºC. As mudanças climáticas previstas para as próximas décadas como resultado do aquecimento global, coloca em risco a produção agrícola. 
O relevo influencia nos caminhos de drenagem da água, pela declividade, pode ou não proteger o solo de erosão (água e vento), como pode também, determinar microclimas. às vezes em volta da lavoura. Os organismo tem a função de proteger o solo, da atuação direta da chuva e erosões. 
As partículas de minerais da ação do intemperismo, incorporado aos organismos vivos (restos animais e vegetais) se decompõe e dão origem ao húmus, que da fertilidade ao solo, quando é baixa ou muito ácida precisa de corretivo artificial (defensivos e adubos). 
A definição física da cor do solo depende da formação e da matéria composta, podem ser agrupadas conforme em três tipos:
Escuro ou orgânico, que indicam forte presença de matérias orgânicas e possuem alto valor agrícola;
Avermelhado e amarelados, forte presença de óxido de ferro, condição boa de drenagem, maior umidade;
Claros, fraca presença ou ausência de matéria orgânica.
Mudanças na agricultura num mundo tecnológico 
 A agricultura dos tempos moderno e contemporâneo tem passado por mudanças como:
· Êxodo rural, inicia com a Revolução Industrial, as pessoas saem do campo para a cidade, perdendo a noção da importância dos alimentos, a fonte dos seus alimentos passam a ser o do supermercado, o da indústria. Abandonam as lavouras de subsistência. O percentual de pessoas que trabalham no campo vem caindo, de 60% para 40% após a última Guerra Mundial, e atualmente países como Estados Unidos, Europa e outros apenas 2% da população trabalha na agricultura;
 · Mudanças técnicas: grande utilização de energia, água e agrotóxico, industrialização do processo agrícola, aplicação de adubos químicos, intensidade das pesquisas etc;
· Submissão ao grande capital: interferência e domínio das grandes empresas e/ou multinacionais na comercialização e na industrialização dos produtos agropecuários;
· A indústria entra no campo e aumentando produção e produtores especializados, com financiamentos e técnicas modernas, evoluindo para agroindústria e mudanças nas relações de trabalho; 
· Aperfeiçoamento dos mecanismos de comercialização e de escoamento da produção;
· Crescente aumento da concentração fundiária (estrutura fundiária), aumenta os conflitos por terras; 
· Expulsão dos nativos; 
· Impactos ambientais: poluição, aquecimento global, desequilíbrio no ecossistema etc; · Inchaço das cidades;
Estrutura fundiária  A Estrutura Fundiária, é como a terra se divide em propriedades e respectivos tamanhos: latifúndio (grandes propriedades ou estabelecimentos-mais de mil hectares) e minifúndio (pequenas propriedades ou estabelecimentos), o tamanho varia de uma região para outra. No Brasil 3% do total das propriedades rurais são de latifúndios, isso representa 56,7 das terras agricultáveis, significa que, há concentração de terra nas mãos de poucos. Os pequenos são os que possuem ao redor de 100 hectares. Os médios possuem de 100 a 500 hectares de terras. Os grandes são os que detêm mais de 500 ou são os que, na Região Norte do país, detêm mais de 1.000 hectares. Estado RS 85,71% possuem menos de 50 hectares, ocupando 24,36%; As propriedades com mais de 500 hectares representam 1,83% dos estabelecimentos, ocupando 41,66% da área rural.

Sistemas ou modos de produção

A prática da agricultura pode ser intensiva e extensiva. Os principais sistemas agrícolas do mundo são agricultura: itinerante e de subsistência, plantation e jardinagem.
Essas diferentes práticas de agricultura possuem três fatores em comum: O capital, fator que define o sistema agrícola, atrasado ou moderno, intensivo ou extensivo. A terra, local de fixação das sementes. E define o tamanho da propriedade. O trabalho, utiliza grande ou pequena mão-de-obra, qualificada e desqualificada.

Os sistemas agrícolas:

1- Agricultura de subsistência e Itinerante - auto-sustento do agricultor e sua família, o excedente abastece o centro urbano; - mão-de-obra familiar e desqualificada, subnutrição das pessoas; - praticada nas regiões mais pobres (países da África, latinos e sul/sudeste da Ásia) e em terras menos produtivas e distantes; - prática de queimadas cíclicas, esgotando o solo pela ação da chuva e erosão, abandonando as terras em busca de outras. Cultivo típico: mandioca, milho,inhame etc; - agricultura descapitalizada e técnicas arcaicas, pequenos propriedades e arrendatários; - esse tipo de agricultura vem desaparecendo, pela incorporação dos pequenos agricultores ao processo de desenvolvimento do capitalismo no campo.

2- Agricultura de jardinagem - praticada na no sul/sudeste da Ásia e princialmente no Japão, Taiwam, China, o cultivo maior é do arroz nas planícies inundáveis, e outros vegetais; - agricultura tradicional, mas com uso de técnicas (irrigação natural e artificial, e adubação mais orgânica), cuidados especiais com solo para obter o máximo de produtividade/ha; - técnicas de terraceamento para retenção da água e de sedimentos (terraços artificiais aplainados em degraus em curva de nível, na superfície inclinadas); - grande número de mãos-de-obra, em todas as fases do cultivo e reduzido uso de máquinas; - nos países mais pobres da Ásia de Monções, as técnicas são arcaicas, descapitalizados e de baixa produtividade;

3- Agricultura de Plantation- típico de países subdesenvolvidos, iniciou na Europa período da expansão comercial e colonial, caracteriza por: grandes propriedades (latifúndios), monocultura agroindustrial voltado para o mercado de exportação; - Altamente capitalizada e dependencia do mercado externo; - mão-de-obra barata e desqualificada; - agricultura de precisão (sensoriamento remoto-GPS), centro de pesquisa em biotecnologia (melhoramento de sementes) e tecnologia de informação (mídia-informática). O Brasil apesar de receber pouco incentivos e investimentos das empresas privadas, que deveriam as mais interressadas, tem se destacado em pesquisas.



AULA 4 - ESTUDO DOS CONTEÚDOS.




Responder as esta questões no Laboratório de Informática;
Acessar os sites relacionados abaixo e outros disponíveis na internet, ler, discutir com o colega ( da dupla) anotar no caderno os ítens mais interessantes, importantes ou que sejam polêmicos.


1- Revolução Verde: o que foi? onde e quando foi criada?  por que teve esse nome? o que previa? quais as suas consequências? A Revolução Verde proporcionou tecnologias que atingem maior eficiência na produção agrícola, entretanto, vários problemas sociais não foram solucionados, como é o caso da fome mundial, além da expulsão do pequeno produtor de sua propriedade.

2- É possível que apenas 2% da população alimente o mundo? "As projeções das necessidades alimentares para os próximos 40 anos tem gerado grande preocupação sobre como a produção agrícola pode aumentar suficientemente em face das ameaças de mudança climáticas," explica o co-autor Dr. Camilla Toulmin do Instituto Internacional de Meio Ambiente e Desenvolvimento. "Não apenas o aumento das temperaturas e mudança nos regimes de chuvas tornam a produção agrícola incerta em muitas áreas, mas também o setor agrícola precisará se tornar um melhor dissipador de carbono, através do seqüestro ao reduzir as emissões de gases de efeito estufa tais como óxido nitroso, produzido a partir do uso de fertilizantes químicos."  Também "a crescente competição por terras, água e energia, e a super-exploração da pescas, irá afetar nossa habilidade de produzir alimento, bem como a necessidade urgente de reduzir o impacto do sistema de alimentos sobre o meio ambiente." 

3- A indústria faz a agricultura crescer? A que preço?  Aperfeiçoamento dos mecanismos de comercialização e de escoamento da produção; Crescente aumento da concentração fundiária (estrutura fundiária); Expulsão dos nativos e aumenta os conflitos por terras; Impactos ambientais: poluição, aquecimento global, desequilíbrio no ecossistema etc; Inchaço das cidades.

SUGESTÃO DE SITES PARA PESQUISA

http://www.pime.org.br/mundoemissao/fomesolucao.htm

AULA 5 - ESTUDO DOS CONTEÚDOS.

A toda hora ouvimos esta palavra SUSTENTABILIDADE.



Segundo a Wikipédia: “sustentabilidade é um conceito sistêmico; relacionado com a continuidade dos aspectos econômicos, sociais, culturais e ambientais da sociedade humana”.

Mas na prática podemos dizer que, "sustentabilidade representa promover a exploração de áreas ou o uso de recursos planetários (naturais ou não) de forma a prejudicar o menos possível o equilíbrio entre o meio ambiente e as comunidades humanas e toda a biosfera que dele dependem para existir."

A sustentabilidade propõe-se a ser um meio de configurar a civilização e asatividade humanas, de tal forma que a sociedade, os seus membros e as suas economias possam preencher as suas necessidades e expressar o seu maior potencial no presente, e ao mesmo tempo preservar a biodiversidade e os ecossistemas naturais, planejando e agindo de forma a atingir pró-eficiência na manutenção indefinida desses ideais.

A sustentabilidade abrange vários níveis de organização, desde a vizinhança local até o planeta inteiro.
Ao estudarmos a produção, descobrimos que ela é a base do mundo, pois absolutamente nada é possível sem a produção. Vamos observar os pontos a seguir…
Quando estudamos a questão econômica, aprendemos que ela se dá através da junção de três fatores:
Terra: A matéria prima, proveniente da natureza;
Capital: A riqueza financeira, necessária para iniciar e manter o negócio e a produção;
Trabalho: A mão-de-obra, o fator humano na produção.
Pesquisando sobre sustentabilidade, descobrimos que ela trabalha em cima de um tripé, formada pelos seguintes valores:
Ambiental: A natureza, o planeta em que vivemos e sua preservação;
Econômico: A lucratividade necessária para manter o funcionamento do negócio;
Social: A sociedade como um todo, o bem que trazemos aos funcionários, e conseqüentemente às suas famílias.


Agricultura Sustentável:


Objetivos principais:

* a conservação do meio ambiente, unidades agrícolas lucrativas e a criação de comunidades agrícolas prósperas.

Portanto, sustentabilidade na agricultura seria a capacidade que uma determinada unidade agrícola (ou, numa perspectiva global, o próprio planeta) tem de continuar a produzir, numa sucessão sem fim, com um mínimo de aquisições do exterior.
Devido a necessidade de produção rápida em grande escala de alimentos, criou-se há muitas décadas um sistema de produção agrícola baseado na aplicação de agroquímicos, chamado deagricultura tradicional.

A Conferência para o Desenvolvimento e o Meio Ambiente, a ECO-92, no Rio de Janeiro, conclui-se de que os padrões de produção e atividades humanas em geral, notadamente a agrícola, teriam que ser modificadas.

Então foram criadas e desenvolvidas novas diretrizes às atividades humanas, compiladas na Agenda 21, com o objetivo de alcançarmos um desenvolvimento duradouro e com menor impacto possível, que se chamou de desenvolvimento sustentável e que vem norteando todos os campos de atuação.

Crece cada vez mais a conscientização de que algo deve ser feito para minimizar os prejuízos ao meio ambiente, propiciando a procura de novas alternativas de produção, entre elas na área agrícola.

Os movimentos para a implantação de uma maior qualidade dos produtos agrícolas cresceram, desenvolveram-se e aparece com mais força então no cenário mundial aagroecologia conhecida também como agricultura alternativa.



Agroecologia= base para o desenvolvimento da biotecnologia agrícola e da agricultura.
(Segundo A. Attila de W Miklós - Anais da 3ª Conferência Brasileira de Agricultura Biodinâmica. Governo do Estado de São Paulo, Secretaria do Meio Ambiente, CETESB, Documentos Ambientais, 1998)
*A agroecologia com suas modernas ramificações e especializações engloba a:

- agricultura biodinâmica,
- agricultura ecológica,
- agricultura natural,
- agricultura orgânica,
- os sistemas agro-florestais etc.

Sustentabilidade e agricultura

A introdução do termo sustentabilidade na agricultura é reclamado pelo Movimento de Agricultura Orgânica e a IFOAM, pois já em 1977, realizou-se na Suíça a Primeira Conferência Científica da IFOAM, que recebeu o nome de “Rumo a uma Agricultura Sustentável”, segundo relata Bernward Geier (A agricultura orgânica no mundo. Revista Agricultura Biodinâmica, IBD- Instituto Biodinâmico de Desenvolvimento Rural, nº80, outubro de 1998), o que mostra que a preocupação com a qualidade da produção agrícola já remonta há quase de trinta anos.

Os sistemas agroecológicos têm demonstrado que é possível produzir propiciando a possibilidade natural de renovação do solo, facilita a reciclagem de nutrientes do solo, utiliza racionalmente os recursos naturais e mantém a biodiversidade que é importantíssima para a formação do solo (Miklós, A. Attila de W ob.cit.).

Desvantagens ambientais da agricultura tradicional
- suas monoculturas degradam a paisagem;
- produz altos índices de toxidade pelos agroquímicos utilizados;
- elimina a biodiversidade;
- degrada o solo;
- polui os recursos hídricos;
- maximiza a utilização da energia gerada no próprio sistema natural.


Vantagens da utilização da formas da agroecologia
- possibilita a natural renovação do solo;
- facilita a reciclagem de nutrientes do solo;
- utiliza racionalmente os recursos naturais;
- mantêm a biodiversidade que é importante para a formação do solo.
Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) milhões de trabalhadores agrícolas morrem ou encontram-se seriamente contaminados por pesticidas. Portanto, o produtor ou agricultor deve ficar atendo às novas formas de produção agrícola.

Devemos lembrar ainda que uma produção agrícola condizente com os novos padrões que se deseja para o desenvolvimento é primordial, para que consigamos ter um meio ambiente sadio e equilibrado, como preconizado pelo art. 225, da nossa Constituição Federal.


Referencia Bibliográfica:

AULA 6 - ESTUDO DOS CONTEÚDOS.



Agricultura e os fatores naturais 


figura da esquerda- solo decuidado, desequilibrado
 figura da direita - solo protegido, em equilibrio


  1- Solo  -   constituído através da decomposição das rochas, processo que ocorre pela ação da água das chuvas e dos rios. Além disso, alguns organismos vivos que vivem no solo, também realizam atividades favoráveis para o mesmo, pois eles produzem a matéria orgânica, que são restos de animais e vegetais mortos. E o acumulo deste material sobre o solo torna-o mais fértil, pois ele terá uma grande quantidade de nutrientes para o desenvolvimento das plantas. 
Portanto, para se praticar a agricultura, o solo deve apresentar boas condições.

Quando um solo é destruído, dificilmente ele voltará ás suas condições normais, e nem sua fertilidade será recuperada. Infelizmente, ainda não há nenhum tipo de recurso que produza solos para substituir os perdidos. 


Problemas do Solo 

erosão, a lixiviação e a laterização são os principais problemas que afetam o solo e prejudicam a sua fertilidade e  estão relacionados com as práticas inoportunas na agricultura e com o clima quente e úmido.
 
Alguns métodos para prevenir essas destruições de solo: adubação, rotação de culturas, arar o solo, irrigação, drenagem. 

Erosão: é a devastação do solo por meio do seu deslocamento. Pode ser ocasionado por fenômenos naturais, como a chuva, e até mesmo pela ação do homem. 
processo de degradação do solo (erosão hídrica) por Valmiqui Costa Lima
A chuva provoca a erosão, pois a grande quantidade de água infiltrada no solo, tira a sua estabilidade, levando ao deslocamento. Além da chuva, outras ações da natureza podem ocasionar a erosão, como o vento, vulcões e alterações climáticas. 
O homem provoca a erosão do solo quando retira sua superfície vegetal para a prática agrícola, e deixando o mesmo aberto, livre para as infiltrações de água. A mineração também é uma ação que provoca a erosão, pois os solos vizinhos da região escavada irão poderá ser privados de sua estabilidade. 


Laterização: ocorre com a  formação da camada ferruginosa que se forma com o aumento significante de óxidos e hidróxidos de ferro e alumínio no solo. Esta camada prejudica a fertilidade do solo e as práticas agrícolas. 

Lixiviação: nas regiões tropicais úmidas, ocorre a lavagem da superfície do solo, e os nutrientes que se encontram nesta parte são arrastados, acabando com a sua fertilidade
Solos superficiais expostos à erosão por seqüência descontrolada e predatória  de desmatamento, agricultura e pecuária. Região de Governador Valadares - MG. Foto Edézio Teixeira de Carvalho
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/arlindojunior/geografiafisica002.asphttp://www.achetudoeregiao.com.br/animais/gerais.gif/erosao.jpg http://www.sitioduascachoeiras.com.br/agricultura/img/img_mineral/solo.jpghttp://www.cnps.embrapa.br/search/mirims/mirim01/mirim01.html
http://4.bp.blogspot.com/_ecEkAWLPheY/TJffi2MTwSI/AAAAAAAAAWQ/ZI79lt9AHKQ/s1600/image004.gifhttp://seletun.blogspot.com/2008/04/lixiviao.htmlhttp://www.materia.coppe.ufrj.br/sarra/artigos/artigo10798/v12n3a03fig01.jpg
O clima é muito importante para o processo de desenvolvimento do solo, atuando desde os processos de decomposição de rochas. As variáveis climáticas mais importantes são a temperatura, a precipitação e a evapotranspiração.
O clima pode afetar a produtividade, o teor de óleo das sementes e também a incidência de pragas e doenças.  A agricultura é uma atividade altamente dependente de fatores climáticos, como temperatura, pluviosidade, umidade do solo e radiação solar. Portanto, o clima é muito importante para o processo de desenvolvimento do solo, atuando desde os processos de decomposição de rochas. sendo que as  variáveis climáticas mais importantes são a temperatura, a precipitação e a evapotranspiração.
O clima pode afetar a produtividade, o teor de óleo das sementes e também a incidência de pragas e doenças.
Como a Terra tem ambientes com temperaturas diferentes, também existem plantas diferentes, que se adaptam melhor a um ou a outro ambiente. 
A elevação da temperatura provocada pela alta concentração de gases de efeito estufa deve causar um impacto negativo na agricultura de quase todo o planeta. O aquecimento trará alguma vantagem somente para o cultivo nas regiões de alta latitude. Tornando-se menos geladas do que são atualmente, essas áreas poderão no futuro abrigar plantas que hoje não resistem ao frio.
Vários são os exemplos de quebras de safras no Brasil e no mundo, com enormes prejuízos à agricultura e à sociedade, devido a ocorrência de adversidades climáticas (chuva, seca, geada, granizo, entre outros). 

** A TEMPERATURA  influencia a fotossíntese, a respiração e a transpiração das plantas. Cada espécie agrícola tem um limite de tolerância para lá do qual podem morrer. Exemplos: TRIGO — Não resiste a temperaturas inferiores a - 17° C; - A temperatura mínima de floração é de 14°C; - A temperatura mínima de maturação é de 20° C.
ZONAS TEMPERADAS — trigo, milho, vinha, beterraba
ZONAS INTERTROPICAIS - cacau, café, bananas, cana de açúcar.
**A LUZ SOLAR tem um papel importante na realização da fotossíntese. Cada espécie vegetal tem exigências próprias quanto a duração e intensidade da luz solar.
 ** A UMIDADE é o elemento fertilizador da terra e dissolve os sais minerais do solo para que estes possam ser assimilados pelas plantas. As exigências de água variam com as espécies agrícolas e com as fases do seu ciclo evolutivo.
 ** O VENTO pode exercer ação positiva quando ajuda na polinização das plantas e negativa quando destrói as plantas com sua força em temporais e pela erosão.
 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

3- Relevo - as planícies facilitam a mecanização da lavoura, que pode se apresentar sob a forma de culturas temporárias (que se renovam periodicamente, como as de cereais, leguminosas, verduras) e permanentes (de árvores ou arbustos, cujo plantio não precisa ser renovado, como a arboricultura de laranjeiras, figueiras, etc..).
Nas áreas montanhosas ou de escarpas de planaltos é mais adequada a arboricultura, pois as raízes das árvores permitem uma melhor fixação dos solos, além de reduzir bastante a lixiviação das encostas pelas enxurradas (águas pluviais que escorrem superficialmente nos solos). Mesmo assim, as árvores não devem ser plantadas linearmente em filas, mas em curvas de nível - linhas circulares de plantio, que passam pelos pontos de mesma altitude, evitando que as enxurradas se concentrem em regos descendo pelas encostas.

4- Hidrografia - os rios tiveram e continuam a ter uma importância fundamental para a agricultura, não só porque formam os solos aluvionais às suas margens, como deles procedem os canais de irrigação para regar .as plantas cultivadas.
Referência Bibliográfica
AULA 7 - ESTUDO DOS CONTEÚDOS

Agricultura e suas implicações

Para responder na Wiki do grupo:                                                                               

1) Transgênicos, fruto da engenharia genética  criado pela moderna biotecnologia, alteração do DNA, quebra de gens... 
Alguns cientistas são contra e outros dizem que esta é a oportunidade de longevidade do homem, oportunidade de matar a fome do planeta.
- Pesquisar e Apresentar as vantagens e desvantagens dos trangênicos:
- E você, como cidadão e consumidor o que sabe sobre os transgênicos?

2. Observe os gráficos da pg. 429 do livro texto, sobre eles:
- Elaborar um comentário geral sobre os países envolvidos como: 
* eles são desenvolvidos ou subdesenvolvidos?
* estão em que continente?
* porque são importadores ou exportadores? Os produtos são variados? matam a fome do mundo?

3. Agricultura familiar 
- o que é?
- Quais as  características? (como é)?
- Qual a representatividade da agricultura familiar na economia de um país?
- Você vê vantagens ou desvantagens em praticar a agricultura familiar?
- Você tem exemplos de agricultura familiar em seu meio? 
Leiam aqui a reportagem sobre agricultura familiar no nosso estado: "

 Nem só da pecuária vivem os pampas gaúchos" *Você poderá responder por perguntas ou poderá elaborar em um texto só.

* Busque informações, pesquise  e escreva de forma resumida, com as palavras de vocês, o que você entendeu e aprendeu, na wiki do grupo.

Aqui você encontrará um texto que expõe sobre o tema proposto. O título é: Organização Mundial de Saúde - 20 Questões Sobre Alimentos Geneticamente Modificados * 


AULA 8 -  ESTUDO DOS CONTEÚDOS




 Sistema Agrícola de Produção Socialista: neste sistema o estado é o regulador da produção e proprietário dos meios de produção. Poucos países mantém, hoje, este sistema, Cuba é um exemplo de sistema socialista de produção agrícola, onde a produção visa atender as necessidades da coletividade.


Sistema Agrícola de Produção Capitalista: este sistema é o mais utilizado, onde a produção é intensiva e comercial. Está baseada em três pontos primordiais: investimento de altos capitais, intensa mecanização e grande produtividade. Os mecanismos de mercado podem torna-la especulativa, trazendo efeitos negativos para a sociedade, em benefício dos investidores deste sistema.


Agricultura Ecológica: surge nos Estados Unidos e na Europa no final dos anos 70 e chega ao Brasil no início dos anos 90. É o contraponto dos sistemas tradicionais de produção de alimentos. É praticada em pequenas propriedades com emprego de sementes não modificadas no plantio e sem a utilização de adubos e defensivos químicos. São cultivados produtos da época, através do "plantio direto" e com várias espécies na mesma área, evitando as pragas, o que proporciona maior retorno financeiro ao produtor sem causar danos ao solo e ao meio ambiente.

produtividade agrícola ou produtividade do trabalho mede-se pela produção por trabalhador num determinado espaço de tempo.

rendimento agrícola ou produtividade da terra consiste no total de produção por unidade de superfície. Temos uma dada produção agrícola que é obtida  numa determinada área de cultivo, e pretendemos saber a relação entre essa produção total e a respectiva área de cultivo, dando-nos uma produção por unidade de superfície.

O desenvolvimento da indústria constitui um importante motor de qualquer economia que queira evoluir, e tem impacto no desenvolvimento da agricultura. 

Há duas maneiras dos agricultores poderem aumentar a produção: intensificação e extensificação.
Para intensificar, o agricultor aumenta a aplicação de capital ou de trabalho num pedaço de terra.
Quando opta por alargar a área em produção ele está a extensificar. A indústria ajudou ambas. Proporciona melhor equipamento, máquinas, fertilizantes inorgânicos e pesticidas, o que permite aumentar a produção por unidade de superfície e por homem. Este aumento da produção permite que mais mão-de-obra possa ser dispensada para a indústria. A indústria também proporciona a maquinaria e o equipamento que permite um novo arroteamento…
Para se produzir mais alimentos uma das alternativas é usando melhores tecnologias.  Também a utilização de melhores sementes, sistemas de produção animal que proporcionem maior produtividade e o uso avançado da tecnologia e de insumos geneticamente modificados.
Foi-se o tempo  em que a economia rural comandava as atividades urbanas. Atualmente, o que se verifica, em escala planetária, é a subordinação do campo à cidade, uma dependência cada vez maior das atividades agrícolas às máquinas, insumos, agrotóxicos, tecnologia, fatores concebidos e produzidos nas cidades industriais.
Atualmente, observa-se a tendência a penetração do capital agro-industrial no campo, tanto nos setores voltados ao mercado externo quanto ao mercado interno. Assim, a produção agrícola tradicional tende a se especializar, não para concorrer com o mais forte, mas para produzir a matéria prima utilizada pela agroindústria.

Referências bibliográficas
http://www.uenf.br/uenf/centros/cct/qambiental/so_agricsustent.html





AGRICULTURA E INDÚSTRIA



Indústria da agricultura ou agroindústria:
transforma produtos agropecuários em produtos industriais, no local da produção. Ex. laticínio
Indústria p/ a agricultura
fornece máquinas e equipamentos, produtos químicos etc
Complexo agroindustrial
junção da agropecuária + indústria p/ atender a agroinduústria. Grandes empresas e multinacionais.


Força das novas tecnologias
Elevado Grau de mecanização
informatização de colheitadeiras, automatização da adubação e plantio, irrigação programada, sensoriamento remoto, GPS etc.
Investimento em pesquisa
melhoramento das sementes, concentração de planta /área, controle de pragas e doenças, amadurecedores químicos etc.
Tecnologia de ponta
Biotecnologia : bioquímica + microbiologia + engenharia química;
Engenharia genética: trabalha os gens vegetais e animais geneticamente modificados (transgênicos);
Bioindústria – resulta da biotecnologia + eng. Genética aplicados no ramo de alimentos, têxtil, biocombustível etc.


A produção agrícola é obtida em condições muito heterogêneas no mundo. Das diversas formas de relação entre o homem e o meio geográfico, a vida rural, e mesmo a vida da população urbana que trabalha em atividades agrícolas é muito diversificada. 
Os países desenvolvidos e industrializados intensificaram a produção agrícola por meio da modernização das técnicas empregadas, utilizando cada vez menos mão-de-obra. Nos países subdesenvolvidos, foram principalmente as regiões agrícolas que abastecem o mercado externo que passaram por semelhante processo de modernização das técnicas de cultivo e colheita.
Em contrapartida, houve o êxodo rural acelerado, que promoveu o drástico empobrecimento dos trabalhadores agrícolas, concentrados nas periferias das grandes cidades. 
Por outro lado, todas as regiões em que se utilizam métodos tradicionais de produção – principalmente nos países pobres do Sudeste asiático e na maioria dos países africanos – buscam ainda meios de associar um modo de vida rural extremamente rudimentar às incertezas biogeográficas e climáticas, na tentativa de evitar o flagelo da fome. 
A agricultura em países desenvolvidos
De modo geral, a agricultura é praticadas de forma intensiva, com grande utilização de técnicas biotecnológicas modernas. É pequena a utilização de mão-de-obra no setor primário da economia. 
Nesses países, além dos elevados índices de produtividade, obtém-se também um enorme volume de produção que abastece o mercado interno e é responsável por grande parcela do volume de produtos agropecuários que circulam no mercado mundial. Uma quebra de safra de qualquer produto cultivado nos Estados Unidos tem reflexos imediatos no comércio mundial e na cotação dos produtos agrícolas. 

 A agricultura em países subdesenvolvidos
Nos países subdesenvolvidos os contrastes verificados entre os membros desse bloco repetem-se também no interior dos próprios países, onde convivem lado a lado, modernas agroindústrias e pequenas propriedades nas quais se pratica a agricultura de subsistência. 
Tanto nos países subdesenvolvidos cuja base econômica é rural, como nas regiões pobres dos países subdesenvolvidos industrializados, há um amplo predomínio da agricultura de subsistência contrastando com o sistema de plantation. Herança histórica do período em que esses países foram colônias. Desde então, excluem a população dos benefícios econômicos atingidos. 
O setor primário é a base da economia nesses países. Como se pratica uma agricultura predominantemente extensiva, o percentual da população economicamente ativa que trabalha no setor primário é sempre superior a 25%, atingindo, às vezes, índices espantosos. Porém, isso não significa que esses países são os maiores produtores de alimentos, bem como também não são grandes exportadores. 
A maior quantidade de alimentos por trabalhador agrícola não é produzida pelos países com maior concentração populacional no campo. Ao contrário, a alta produtividade é característica dos países mais urbanizados, mais industrializados, mais mecanizados e com maiores investimentos em pesquisas tecno-científicas. 
Portanto, países ou regiões onde a economia tem por base a produção agrícola são os que passam por maiores dificuldades econômicas e, por conseguinte, são os países onde a maioria de sua população tem problemas (grave as vezes) de desnutrição ou subnutrição.


AULA 10 -  ESTUDO DOS CONTEÚDOS

E X E R C Í C I O S :

1- Chamamos de sistema agrícola:
a) As formas de divisão de glebas, em relação às culturas desenvolvidas.
 b) O sistema de distribuição dos cultivos, em relação ao solo e todos produtos agrícolas.
c) As formas de financiamento da produção e da comercialização dos produtos agrícolas.
d) Aos sistemas planejados de produção agrícola.
e) Ao conjunto de técnicas empregadas para obtenção da produção agropastoril.

 2- Qual a diferença entre produção agrícola e produtividade agrícola?

3- Quais as características do sistema de agricultura intensiva?

4- Caracterize a agricultura extensiva.

5- O que é uma cultura agrícola perene? Dê exemplos.

6- O que são cultivos agrícolas temporários? Dê exemplos.

7- Apresente duas características, uma quanto ao uso da terra, outra quanto ao objetivo da produção, para:
a) a agricultura itinerante.
b) a agricultura empresarial.

8- "(...) Grandes, médios, pequenos e microprodutores capitalizados, organizados em cooperativas das mais diversas categorias, (...) compõem as classes produtoras incorporadas à agricultura moderna.
Aí se enquadram como setores produtivos os hortifrutigranjeiros, a floricultura,os cultivos raros intensivos em capital e tecnologia de ponta que caracterizam os cinturões verdes das grandes cidades. Aí se enquadram igualmente diversas modalidades de agricultura biológica ou agricultura natural, em relação às quais multiplicam-se investigações científicas e experimentos de campo que estimulam sua expansão, como setor altamente inovador da agricultura moderna. (...)"
Maria do Carmo Corrêa Galvão, O Ensino de Geografia frente as transformações globais, 1996.
O texto apresenta a face do campo brasileiro, das atividades modernas e qualificadas, que convive com arcaicas estruturas produtivas. Em relação à atual situação do campo brasileiro, é correto afirmar que:
(A) o modelo agrárioexportador de base colonial foi substituído por um modelo de alta tecnologia voltado para o mercado interno.
(B) a agricultura moderna reflete a mudança do padrão alimentar da população, aumentando a produção de grãos, como o feijão e o milho, e de raízes e tubérculos como a mandioca e a batata.
(C) o espaço agrícola sofreu transformações com a aplicação de novas técnicas e o aumento da produtividade que viabilizaram a formação do complexo agroindustrial.
(D) o complexo agroindustrial, o padrão mais moderno de agricultura no país, vem perdendo importância com o surgimento dos produtos alimentares transgênicos.
 (E) os espaços agrícolas modernos concentram-se nas fronteiras agrícolas do Centro-Oeste, enquanto as formas tradicionais de produção agropecuária localizam-se no Centro-Sul.

 9- O que foi a Revolução Verde?

 10 - (UFPR) Assinale o que for correto sobre a Revolução Verde e a agricultura "orgânica".
 I - A Revolução Verde introduziu técnicas ecológicas de cultivo, visando ao aumento da produção agrícola.
 II - A agricultura "orgânica" e a Revolução Verde contribuíram para a redução do desemprego no campo, por serem intensivas em utilização de mão-de-obra.
 III - A Revolução Verde valorizava a monocultura em grandes propriedades, como forma de aumentar a produtividade.
IV - A agricultura "orgânica" não utiliza produtos químicos prejudiciais à saúde.
 V - Devido aos riscos maiores de perda da colheita e a outros custos de produção, os produtos "orgânicos" costumam ter preço final superior ao dos produtos cultivados da forma convencional, isto é, com uso de agrotóxicos sintéticos prejudiciais à saúde.
VI - As verduras e os legumes produzidos pela agricultura "orgânica", no Brasil, são rejeitados pelo consumidor, pois apresentam aspecto pouco atraente.
Devido a esse motivo, não chegam às prateleiras dos grandes supermercados e não têm padrão para exportação.
Estão corretas:
a) II, III e VI
b) I e II
c) IV e VI
d) I e IV
e) III, IV e V

 11- Se compararmos a idade do planeta Terra, avaliada em quatro e meio bilhões de anos (4,5 x 1000000000 anos), com a de uma pessoa de 45 anos, então, quando começaram a florescer os primeiros vegetais, a Terra já teria 42 anos. Ela só conviveu com o homem moderno nas últimas quatro horas e, há cerca de uma hora, viu-o começar a plantar e a colher. Há menos de um minuto percebeu o ruído de máquinas e de indústrias e, como denuncia uma ONG de defesa do meio ambiente, foi nesses últimos sessenta segundos que se produziu todo o lixo do planeta!
O texto acima, ao estabelecer um paralelo entre a idade da Terra e a de uma pessoa, pretende mostrar que:
(A) a agricultura surgiu logo em seguida aos vegetais, perturbando desde então seu desenvolvimento.
(B) o ser humano só se tornou moderno ao dominar a agricultura e a indústria, em suma, ao poluir.
(C) desde o surgimento da Terra, são devidas ao ser humano todas as transformações e perturbações.
(D) o surgimento do ser humano e da poluição é cerca de dez vezes mais recente que o do nosso planeta.
(E) a industrialização tem sido um processo vertiginoso, sem precedentes em termos de dano ambiental.



ESPAÇO DA PRODUÇÃO: AGRICULTURA



Escola: Escola Estadual de Ensino Médio Ruy Barbosa 

Professor(as): Maria do Carmo Bigolin ( professora regente)

Marlize Zwirtes ( responsável Laboratório de Informática)

Maria Dalva S. Lima (responsável Laboratório de Informática)

Leia Maria Réa Nedel ( estagiária) 
Nível de Ensino: Ensino Médio 
Série: 2º ano 
Data:2009


Tempo Previsto: 8 a 10 horas aula (2 períodos semanais)

JUSTIFICATIVA: As mudanças ocorridas no mundo proporcionam um novo pensar, uma nova maneira de ver e agir. Nesse processo de mudanças, a aprendizagem requer algumas habilidades específicas como: observação; descrição comparação; registro; leitura de textos, imagens,tecnologia, mapas, gráficos; análise, síntese e reflexão levando o aluno a uma visão global e uma atuação cidadã. Esse plano de aula visa envolver os alunos das 2ª séries com propósito de conhecer, analisar e explicar as relações entre o homem e o meio ambiente, compreender e apropriar-se de novos conhecimentos, observando a realidade e possibilitando referenciais para que possam transformar a realidade de forma consciente. Essa atividade requer que os alunos sejam mais participativos e críticos e que reconheçam a importância da agricultura para o mundo em que vivemos.

Tema da Aula: ESPAÇO DE PRODUÇÃO - AGRICULTURA
Conteúdos programáticos:

1. Importância histórica e conceitos sobre a agricultura.

 2. Etapas no desenvolvimento agrícola: arcaica, moderna e contemporânea, estrutura fundiária.
3. Principais fatores naturais que interferem na agricultura: solo, relevo, clima – El Niño e La Niña.
4. Fatores de interferência comuns nos sistemas agrícolas: capital, terra e trabalho.
5. Sistemas agrícolas: itinerante e de subsistência, plantation, jardinagem e moderna.
 6. Distribuição espacial dos principais produtos agrícolas no mundo;
 7. Mudanças na agricultura num mundo tecnológico;
8. A indústria na agricultura ou agroindústria.
 9. Políticas agrárias: commodities, agronegócio, holdings, transnacionais, subsídios agrícolas.
10. Novas tecnologias na agricultura: biotecnologia ( transgênicos, híbridos, engenharia genética etc.), e tecnologia ( irrigação, maquinários), microeletrônica, tecnologia de informação ( informática e telecomunicações.
11. Considerações gerais da agricultura nos países desenvolvidos e subdesenvolvidos.
12. Agricultura, ecologia e desenvolvimento sustentável. 


Objetivos Específicos: 

1) Conhecer a importância da agricultura na sedentarização do homem e na formação das sociedades humanas complexas;

2) Compreender o conceito de solo e sua composição;

 3) Entender a importância da classificação do solo para a agricultura;
 4) Diferenciar os tipos de agricultura;
5) Conscientizar a praticarem a agricultura sustentável, evitando assim muitos problemas ambientais;
6) Identificar possíveis obstáculos à agricultura relacionados às mudanças climáticas e seus impactos;
7) Relacionar a produtividade e o uso de tecnologias modernas e a sua distribuição em todas as regiões.
 8) Entender/explicar a evolução da agricultura a partir da capacidade humana de transformar o meio ambiente, indicando aspectos positivos e negativos.

Motivação:
 - Introdução do tema provocando a participação da turma através de:
 1- Assistir ao Power Point sobre o tema agricultura. Discussão.
 2- Leitura e comentários do texto: “ O absurdo da tecnologia moderna. “ Autor: José Lutzemberger
3-Pesquisar na internet e analisar, vídeos do Youtube sobre o tema : Agricultura. Após, anotar no caderno de geografia os comentários do grupo sobre o vídeo analisado para posteriormente ser apresentado ao grande grupo. 

Metodologia:
- Aula expositiva interativa;
 - Debate de idéias;
- Análise e comentários de vídeos e textos;

 - Trabalho em grupos:

 a) Criar uma música ( letra e música ) sobre o tema
b) Elaborar um Power Point usando imagens e palavras chave sobre o assunto:
 c) Realizar uma entrevista com um agricultor contextualizando o lugar onde mora ou produz. (o que planta, como planta, onde vende, uso de técnicas ou tercnologias, etc);
d) Elaboração de um vídeo no Movie Maker destacando o que as mídias falam sobre o assunto Agricultura – Atualidades;
e) Maquete representando um tipo de agricultura; os prejuízos do desmatamento e mau uso do solo ao meio ambiente.
f) Elaboração de um hipertexto, usando imagens, que trate sobre a questão da sustentabilidade na agricultura e a questão da fome.

 Recursos didáticos e espaços a serem utilizados:
 Quadro verde, livro texto, caderno, texto xerocado, transparências, retro-projetor, mapas, internet, máquina fotográfica, sala de aula, de informática e multimídia, etc. 

Procedimentos de fixação/avaliação:  - Participação e envolvimento dos alunos em sala de aula, nas atividades propostas, no laboratório de informática. - Trabalhos realizados com criatividade e participação de todos os alunos dos grupos de maneira colaborativa.




Nenhum comentário:

Postar um comentário